(2017) Sarau Afro-Açoriano – Fui Tarrafear

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Sarau Afro-Açoriano
  • PROCEDÊNCIA: Porto Belo, Bombinhas e Itajaí
  • TÍTULO: Fui Tarrafear
  • ANO: 2017

RESENHA – Por Raiz Catarina, em 2020

Primeiro álbum deste grupo que merece destaque na atual cena musical catarinense, pois busca unir o folclore e a cultura do litoral catarinense às suas músicas, ressaltando também o componente afro-brasileiro nas suas composições, especialmente na parte rítmica (que por sinal é bem rica!).

Grupo formado por artistas de Porto Belo, Bombinhas e Itajaí. Este primeiro álbum foi eleito inclusive o melhor disco do ano no Prêmio da Música Catarinense de 2017, sendo também disponibilizado gratuitamente pelo grupo em plataformas digitais (Palco MP3 e YouTube).

Espectativa para ver os próximos trabalhos deste grupo, que se aproxima muito de “ideologia musical” de outro grupo contemporâneo da mesma região, o Tarrafa Elétrica, ao colocar a cultura popular catarinense como base do seu projeto artístico. “Ideologia” essa iniciada pelo Grupo Engenho na década 1980 e ainda pouco explorada enquanto “gênero musical”. Por isso, mais um mérito para este grupo!

(1975) Xerife do Oeste – Interação (São Miguel Oeste)

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Xerife do Oeste
  • PROCEDÊNCIA: São Miguel do Oeste, SC
  • TÍTULO: Integração
  • ANO: 1975

BAIXAR ALBUM EM MP3

LP digitalizado e publicado pelo blog musical “O Caipira do Sul”

RESENHA Por Raiz Catarina, em 2020

Xerife do Oeste foi um músico (cantor, acordionista e compositor) de São Miguel do Oeste, cidade do extremo-oeste catarinense, fronteira à Argentina. Infelizmente não há praticamente nenhuma informação sobre ele na internet até agora (2020).

No seu repertório autoral, diferentes ritmos da música sertaneja (caipira, de raiz) e nativista, ora chamada música gaúcha ou gauchesca.

O álbum começa com um verdadeiro hino à Santa Catarina, a música “Sou Catarinense”. As 4ª e 5ª faixas (“Brasil Gigante” e “Moda Campeira”) também são odes à região oeste catarinense e ao Brasil (chegando até ser exageradas perante o olhar dos dias de hoje, mas natural naquele tempo de plena ditadura militar, onde se ressaltava tanto a nacionalidade). Analisando a letra das demais canções, também se notam outras características marcantes da época.

LP digitalizado e publicado pelo grandioso blog “O Caipira do Sul”, que desenvolve um belo (e importantíssimo) trabalho de resgate da música sertaneja de raiz, caipira, nativista e regional do Brasil.

(2018) Natália Pereira – Vem Ver Nosso Boi Brincar

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Natália Pereira
  • PROCEDÊNCIA: Itajaí
  • TÍTULO: Vem Ver Nosso Boi Brincar
  • ANO: 2018

RESENHA Por Raiz Catarina, em 2020

Álbum inteiro com folclore catarinense de base açoriana. Uma homenagem da artista Natália Pereira ao grande mestre de boi de mamão de Itajaí, o Seu Cueca, seu avó. No repertório vários ritmos do folclore (com uma roupagem mais contemporânea), como ratoeira, boi de mamão e terno de reis.

(2007) GENTIL DO OROCONGO – Cantando e contando histórias

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Gentil do Orocongo
  • PROCEDÊNCIA: Florianópolis, SC
  • TÍTULO: Cantando e Contando Histórias
  • ANO: 2007
  • GRAVADORA: Cultura
RESENHA DO ÁLBUM : Por Raiz Catarina, em 2020

Um clássico. Álbum em que Seu Gentil faz um percorrido musical por vários ritmos do folclore catarinense, como músicas de boi de mamão, cacumbi, terno de reis, entre outros estilos.

Seu instrumento musical é o orocongo, espécie de “violino” rústico feito de apenas uma corda e corpo de coco ou porongo. Um instrumento ancestral de origens africanas, cujo Seu Gentil foi o maior guardião no Brasil.

(1980) GRUPO ENGENHO – Vou Botá Meu Boi na Rua

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Grupo Engenho
  • PROCEDÊNCIA: Florianópolis
  • TÍTULO: Vou Botá Meu Boi na Rua
  • ANO: 1980
  • GRAVADORA: Independente

BAIXAR ALBUM EM MP3

CRÉDITO DA DIGITALIZAÇÃO DO ÁLBUM: BLOG TREM DE MINAS https://trem-de-minas.blogspot.com

RESENHA DO ÁLBUM : Por Raiz Catarina, em 2020

Um clássico. Um ícone. Primeiro álbum do grupo que se tornou referência da música catarinense buscando unir folclore e MPB.

Destaque para a música de protesto contra a ditadura militar. “Vou Botá Meu Boi na Rua”, que dá nome ao álbum. Incluídas nesta faixa há também duas “vinhetas” com o Seu Gentil do Orocongo cantando boi de mamão, o que parece ser sua primeira aparição fonográfica registrada.

Outro destaque é a canção “Barra da Lagoa”, composta pelo artista Neco, mas que realmente ganhou fama e projeção através do Grupo Engenho, como mesmo conta o compositor em entrevistas dadas.

Álbum que intercala músicas agitadas e dançantes, com músicas suaves e calmas. Acordeon marcante. Músicas que ultrapassam a temática folclórica local (de Santa Catarina) e abragem também outras musicalidades da região, como referências a “música de fronteira”, a exemplo da faixa “Recuerdos” (uma milonga?).

(1981) Grupo Engenho – Engenho

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Grupo Engenho
  • PROCEDÊNCIA: Florianópolis
  • TÍTULO: Engenho
  • ANO: 1981
  • GRAVADORA: Independente

BAIXAR ALBUM EM MP3

CRÉDITO DA DIGITALIZAÇÃO DO ÁLBUM: BLOG TREM DE MINAS https://trem-de-minas.blogspot.com

RESENHA DO ÁLBUM : Por Raiz Catarina, em 2020

Segundo álbum do grupo, deixando marcado nas suas letras, mais uma vez, o universo da cultura tradicional e campesina de Santa Catarina. Teve participação de Franklin Cascaes na composição da 4ª faixa (“Carro de Boi”).

Entre os temas das letras, estão o universo dos engenhos de farinha e sua culinária (Faixa 01:Engenho), rendeiras (faixa 02: Menina Rendeira), fandango (faixa 03: Fandango) e a lida com o gado (faixa 12: Vaquejada). Outra parte das canções abordam a cultura campeira dos planaltos e serras (faixa 08: Homem do Planalto e 09:Tropeadas) e americana-latina (faixa 05: “Exílio”, uma milonga).

(1983) Grupo Engenho – Força Madrinheira

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Grupo Engenho
  • PROCEDÊNCIA: Florianópolis
  • TÍTULO: Força Madrinheira
  • ANO: 1985
  • GRAVADORA: Lira Paulistana-Continental

BAIXAR ALBUM EM MP3

CRÉDITO DA DIGITALIZAÇÃO DO ÁLBUM: BLOG TREM DE MINAS https://trem-de-minas.blogspot.com

RESENHA DO ÁLBUM Por Raiz Catarina, em 2020

               Neste terceiro álbum, o grupo aprofunda mais suas raízes. Duas faixas (02-“Meu Boi Vadiou” e 04-“Corre Menina”) reúnem vários elementos da cultura tradicional de base açoriana. Já, a primeira faixa (01-Adeus Mariana”) faz referência à cultura gaúcha e a última faixa (11-Força Madrinheira) é um verdadeiro hino ao povo da américa do sul.

Destaque também para a faixa 09 “Contestado” que é de arrepiar, transbordando de emoção ao abordar a luta e força do povo do Contestado, e a faixa 10 “Açoreanas”, um banho de “açoreanidade raiz”, interpretando alguns estilos tradicionais (cana-verde e ratoeira) ao som de um lindo orocongo.

(2003) GRUPO ENGENHO – MOVIMENTO

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Grupo Engenho
  • PROCEDÊNCIA: Florianópolis
  • TÍTULO: Movimento
  • ANO: 2003

RESENHA – Por Raiz Catarina, em 2020

Quarto e penúltimo álbum do grupo, lançado em 2003, após um grande hiato de praticamente 20 anos sem produção fonográfica. Continua o legado musical do grupo, abordando questões folclóricas em músicas sensíveis e carinhosas. Não conta com a participação de Alisson Mota, um dos fundadores da banda.

(1999) Coleção Itaú Cultural – Segredos do Sul

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Vários (em Santa Catarina: Gentil do Orocongo e Grupo de Senhoras “Recanto da Amizade”.
  • PROCEDÊNCIA: Vários locais (Florianópolis, RS e PR)
  • TÍTULO: Segredos do Sul
  • ANO: 1999

RESENHA – Por Raiz Catarina, em 2020

Raridade, albúm pra lá de especial! Registrando manifestações folclóricas ameaçadas de extinção na região sul do Brasil (PR, SC e RS).

Em Santa Catarina inclui registros de

  • Catumbi de Itapocú
  • Gentil do Orocongo: Choro, Terno de Reis e Ratoeira
  • Grupo de Senhoras “Recanto da Amizade”: Ratoeiras

(2009) Boi de mamão da udesc + Escola Tenente Almachio

  • DADOS DO ÁLBUM:
  • ARTISTA: Escola Estadual Básica Tenente enente Almachio e Curso de Licenciatura em Música da UDESC
  • PROCEDÊNCIA: Florianópolis
  • TÍTULO: Boi de Mamão – Folguedo popular de Florianópolis
  • ANO: 2009
  • GRAVADORA: CEART UDESC
RESENHA DO ÁLBUM : Por Raiz Catarina, em 2020

Álbum do projeto realizado em 2009 entre a UDESC (Curso de Música) e uma escola pública de Florianópolis. Coordenação de Viviane Beineke.

SAIBA MAIS EM: http://materialdidatico.wixsite.com/oficinas/conheca

(2014) Nossas Raízes, Nossa Luta (documentário)

  • Ano: 2014
  • Direção: Carlos Portela Nunes
  • Artista “protagonista”: Vários.

Recente (e excelente) documentário, que aborda a cultura de praticamente todos os grandes grupos culturais de Santa Catarina: indígenas, negros e brancos. Gravado nas cidades de Antônio Carlos, Biguaçu e Governador Celso Ramos.

Entre as manifestações abordadas no documentário estão:

  • Língua e marcenaria alemã (em Antonio Carlos)
  • Danças açorianas (do grupo folclórico Arcos, em Biguaçu)
  • Capoeira (do grupo Abadá em Biguaçu)
  • Ratoeira (do Grupo de Idosos Menino Deus, em Biguaçu)
  • Bordado das criveiras (em Biguaçu)
  • Candomblé (em Biguaçu)
  • Engenho de farinha (em Biguaçu)
  • Boi de Mamão (da Fazenda da Armação, em Gov. Celso Ramos)
  • Memórias do Cacumbi (em Biguaçu)
  • Cultura indígena Mbya Guarani (em Biguaçu)

(2003) Religiosidade Popular (documentário)

  • Ano: 2003
  • Direção: Francis Silvy (Perfil no YouTube)
  • Artistas “protagonista”: Vários

Um clássico entre os documentários do folclore catarinense. Foca em diversas manifestações populares de raiz católica do litoral de Santa Catarina, registrando práticas em vias extinção. Conta com a mediação do ilustre pesquisador Peninha, o que abrilhanta mais ainda o documentário. As tradições representadas, em ordem de aparição, são:

  • Presépios de Natal (em Palhoça-SC)
  • Cacumbi de Itapocú (em Araquari-SC)
  • Mastro de São Sebastião ( em Penha-SC, na Armação do Itapocoroí)
  • Fandango (Dança) para São Gonçalo (em Penha-SC, na Armação do Itapocoroí)
  • Romaria do Divino (em Garopaba-SC)
  • Procissão de Nossa Senhora dos Navegantes (em Tijucas-SC)
  • Procissão das Almas (em Florianópolis-SC)

Create your website at WordPress.com
Iniciar